Connect with us

Espanha

Se meu filho nasce na Espanha ele é considerado espanhol?

Se meu filho nasce na Espanha ele é considerado espanhol?

O novo aspecto de raízes familiares que abrange o projeto de regulamentos de imigração, afirma que os pais de uma criança de nacionalidade espanhola podem solicitar a residência em circunstâncias excepcionais, desde que o menor esteja sob a responsabilidade e habite com o progenitor.

Muitos se perguntam se a criança que nascer na Espanha é espanhola ou não. O que gera esta pergunta é a condicionalidade que é colocada a partir do país de origem dos pais da criança.

O que isso significa? Significa que nem toda a criança que nascer na Espanha será de origem espanhola, ou o valor da pretensão questionável, mas vai depender da nacionalidade dos pais e da legislação nacional do país de origem deles conceder ou não.

Confira neste artigo as normas espanholas e brasileiras e verifique como fica a situação caso tenha um filho nascido na Espanha.

Cidadania espanhola por origem ou nascimento

É considerado de origem espanhola e pode solicitar a cidadania espanhola por opção (não é necessário período de residência) se:

  • Ter uma mãe ou pai espanhol;
  • Nascer na Espanha com pais estrangeiros, se pelo menos um dos pais também nasceu na Espanha (exceto filhos de diplomatas e cônsules acreditados na Espanha);
  • Foi adotado por um espanhol e é menor de 18 anos, maiores de 18 anos e adotadas nos últimos dois anos;
  • Nascer na Espanha de pais estrangeiros cuja identidade é desconhecida ou o país de origem é indeterminado (estatuto de apátrida ou refugiado), ou se a nacionalidade dos pais não puder ser legalmente transmitida à criança;

Há também outras situações para se qualificar a cidadania espanhola, onde a residência é exigida por um ano. Isto inclui aquela criança que não nascer na Espanha, mas tiver os pais e avós, todos originalmente espanhóis, aqueles com um tutor espanhol ou pai adotivo, ou aqueles que não exerceram devidamente o direito de adquirir a nacionalidade espanhola por opção.

 

Legislação espanhola para criança que nascer na Espanha

De acordo com o artigo 17 No. 1, c) do Código Civil espanhol, é de origem espanhola “a criança que nascer na Espanha de pais estrangeiros, se ambos carecem de uma nacionalidade ou se a legislação de nenhum deles atribuir à criança uma nacionalidade”.

De acordo com a legislação espanhola, a criança que nascer na Espanha com pais estrangeiros segue a nacionalidade de seus pais. No entanto, encontramos países que não reconhecem como filhos nacionais a crianças nascidas no exterior, e é por isso que a Espanha, para evitar que estas crianças não fiquem sem nacionalidade lhes dá valor de solicitação simples, a nacionalidade espanhola.

Para iniciar o arquivo de nacionalidade espanhola com o valor de uma solicitação simples, devem-se apresentar os seguintes documentos no Registro Civil de seu endereço:

– Certidão de nascimento do recém-nascido. (criança que nascer na Espanha);

– Certificado de registro de cada um dos pais de coexistência em que o menor aparece;

– Certidão de nascimento de cada um dos pais, do Registro Civil de seu país, e legalizado pelo Consulado ou Embaixada daquele país na Espanha, ou apostilado;

– Original e fotocópia do livro familiar onde o menor é gravado;

– Original e fotocópia do passaporte dos pais;

– Certificado consular declarando que a legislação do seu país não reconhece a nacionalidade do menor;

Condicionalidade de país de origem dos pais da criança

A aquisição da nacionalidade é geralmente regida em diferentes sistemas legais de acordo com o princípio Ius Sanguinis (quando um indivíduo adquire a nacionalidade de seus pais) e o princípio de Ius Soli (quando um indivíduo adquire a nacionalidade do país no qual ele / ela nasceu). 

Assim, alguns países concedem nacionalidade a todos os indivíduos que nascem no território do estado, como nos Estados Unidos, enquanto outros países como a Espanha, como regra geral, reconhecem indivíduos nascidos de pais espanhóis como cidadãos.

Todos têm direito a uma nacionalidade. Isso está previsto no artigo 15 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, ratificada pela Espanha em 1977.

Este é o Acordo com o mais alto nível de proteção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais. A nacionalidade é um atributo para os seres humanos. 

No entanto, os estados são soberanos para regular as maneiras pelas quais a cidadania é adquirida ou perdida. 

Por esta razão, é possível que um menino ou menina nasça sem nacionalidade, se ele ou ela nasceu em um país que não concede nacionalidade por simples nascimento, e os pais são de um país que não concede nacionalidade automaticamente por sangue (Ius Sanguinis).

O artigo 1.1 da Convenção relativa ao Estatuto dos Apátridas de 1954 (“Convenção de 1954”) estabeleceu a definição internacional de pessoas apátridas como qualquer pessoa: “que não é considerado nacional por nenhum Estado sob a sua lei”.

Agora, a Convenção sobre os Direitos da Criança (CDC), ratificada pela Espanha em 1990, estabelece que a criança não deva ficar em estado por um longo período. Ou seja, toda criança deve adquirir nacionalidade ao nascer ou o mais breve possível após o nascimento. Neste sentido, a Convenção para Reduzir os Casos de Apátrida de 1961 (“Convenção de 1961”) no artigo 1, concede às crianças que de outro modo seriam apátridas o direito de adquirir a nacionalidade de seu país de nascimento.

Portanto, para determinar se uma criança que nascer na Espanha, de pais estrangeiros, é apátrida, é necessário determinar se a criança adquiriu automaticamente a nacionalidade do país de seus pais (o princípio de Ius Sanguinis). Toda a criança espanhola e estrangeira que nascer na Espanha deve estar inscrita no Registro Civil correspondente ao local de residência, que é, na maioria dos casos, o município no qual os pais estão matriculados. Os pais de crianças apátridas podem solicitar o pedido de nacionalidade para seus filhos como uma presunção refutável, para que a criança acabe sendo concedida a cidadania espanhola.

A Direção Geral de Registos e Notórios publicou uma instrução na qual lista alguns países aos quais a lei espanhola poderia ser aplicável. Ou seja, a criança que nascer na Espanha, cujos pais são de qualquer um dos seguintes países, têm direito à nacionalidade espanhola:

  • Argentina
  • Bolívia
  • Brasil
  • Cabo Verde
  • Colômbia
  • Costa Rica
  • Cuba
  • Guiné Bissau
  • Panamá
  • Paraguai
  • Portugal
  • São Tomé e Príncipe
  • Uruguai

Agora que já conhece algumas das deliberações sobre as Leis para quem nascer na Espanha é só se preparar para organizar documentos e solicitar a nacionalidade de seu filho. Continue acompanhando os próximos artigos e confirma nossas dicas.

Dicas Extras

10 canais para estudar espanhol online

Tipos de visto para morar em Malta

Guia de Profissões e Salários de TI na Irlanda

O QUE É PRECISO PARA MORAR NA IRLANDA?

Newsletter Signup

Comments

10 Canais ou Sites Gratuitos para Estudar inglês 10 Canais ou Sites Gratuitos para Estudar inglês

10 Canais ou Sites Gratuitos para Estudar inglês

Idiomas

O QUE É PRECISO PARA MORAR NA IRLANDA O QUE É PRECISO PARA MORAR NA IRLANDA

O QUE É PRECISO PARA MORAR NA IRLANDA?

Carreira internacional

ENTENDA COMO CONSEGUIR O CRITICAL SKILLS NA IRLANDA

Carreira internacional

As 10 leis da Europa que você precisa conhecer antes de viajar As 10 leis da Europa que você precisa conhecer antes de viajar

As 10 leis da Europa que você precisa conhecer antes de viajar

ARTIGOS POR PAÍS

Advertisement
Newsletter Signup

Copyright © 2018 Jawn Theme. Theme by MVP Themes, powered by WordPress.

Newsletter Signup